Castanha de Sernancelhe com quebras de 70% na quantidade, mas com calibre grande

A castanha em Sernancelhe teve quebras de produção de 70%, devido à seca, apesar do maior calibre, disseram hoje os produtores à agência Lusa.

“No mínimo, temos 70% da produção perdida, ou seja, comparada com o ano passado, vamos ter 30% da produção, devido à seca e aos escaldões deste verão, porque o castanheiro não é uma árvore que goste muito de calor”, disse Manuel Gomes.

Para este produtor, “é bom que se mantenha esta humidade e não venham temperaturas muito quentes, porque acabariam por destruir a pouca produção, porque a castanha para se conservar deve ser apanhada assim, com esta humidade”.

Este produtor de castanha no concelho de Sernancelhe, a norte do distrito de Viseu, explicou à agência Lusa que, “como não choveu e com todo o calor, o castanheiro acabou por não desenvolver, daí a queda na ordem dos 70%”.

Uma queda que José Flora, outro produtor de castanhas no concelho, disse sentir, uma vez que “só deve haver um terço de produção” nas suas árvores de fruto, “mas há alguns que estão a perder um quinto” da produção.

“E há outro problema, é que atrasou muito a campanha. Vem aí o São Martinho e vai haver pouca castanha e cara, depois é capaz de baixar o preço um bocadinho, porque depois do ponto alto dos magustos já ninguém liga”, contou.

José Flora reconheceu que “também está cara, porque é preciso pagar a mão-de-obra, para apanhar os ouriços que ainda nem existem”, já que se “anda um dia todo para apanhar pouca quantidade, porque ainda está tudo na árvore”.

“A minha quebra é muito grande, mas infelizmente há uns produtores que estão a perder mais. Também o meu calibre está muito idêntico ao do ano passado, algumas até mais pequenas, mas há produtores que estão com um bom calibre”, apontou ainda.

Um problema de que Manuel Gomes não se queixa, já que, na sua produção, “a que há é boa e até de um calibre maior, porque como eram poucas acabaram por crescer, muito com a ajuda destas chuvas tardias e depois o sol”.

Este produtor reconheceu que, com esta quebra na produção, “os preços estão, obviamente mais altos, no mínimo uns 30% a 35% mais cara, no produtor, porque depois o consumidor final acaba por pagar mais, porque o dinheiro fica sempre nos intermediários”.

À agência Lusa, o distribuidor Miguel Santos também se manifestou “descontente” com a produção deste ano, não pelo calibre, “que é maior, o que é bom”, mas porque com uma “quebra muito grande, na ordem dos 60% a 70%”, a castanha não lhe chega às mãos.

“O problema nos anos de pouca castanha é o mercado paralelo que existe, porque quando há muita, há fruta para todos, para os distribuidores e para os produtores venderem por fora, junto de clientes, mas, em anos como este, fica toda no mercado paralelo”, apontou.

Miguel Santos disse que “muitos produtores vendem diretamente, sem passarem fatura, e a castanha acaba por não chegar ao distribuidor, que trabalha com faturação e não foge aos impostos”.

“São sempre situações muito delicadas, porque o produtor também não tem castanha para vender e acaba por vender sem fatura para não pagar impostos sobre uma produção que já não é rentável”, justificou.

Isto porque “o Estado também faz mal em contabilizar ao produtor o hectare de terreno com castanheiros, em vez de o fazer ao peso, pelo quilo de produção da castanha”.

“Entendo muitas situações, mas ficamos todos a perder. Nós, os distribuidores e o Estado, porque os impostos não são pagos, portanto, perdemos todos num ano como este, mais se sente”, apontou Miguel Santos.

Partilhar
Autor
Picture of Notícias de Viseu
Notícias de Viseu
Notícias de Viseu é um órgão de informação regionalista, independente, livre de influências políticas, económicas, religiosas ou quaisquer outras, votado à prática de uma informação cuidada, verdadeira e objetiva.

Novidades

1
Académico_de_Viseu
Rui Ferreira é o novo treinador do Académico de Viseu
2
espetáculo teatro
Boneca com inteligência artificial promove reflexão sobre abuso sexual em Viseu
3
pexels-boom-12585940
Jornalistas desportivos distinguem Carlos Lopes por mérito internacional
4
pexels-blooddrainer-566496
Mata do Fontelo, em Viseu, vai ser classificada monumento nacional 

Artigos relacionados

Visita e protocolo Recreio 1
bottle-2032980_1280
thomas-thompson-KEWVZAwkLxQ-unsplash
Prémio Heathy 3
Entre em contacto

+351 232 087 050
*Chamada para rede fixa nacional

geral@noticiasdeviseu.com
publicidade@noticiasdeviseu.com

Avenida do Convento nº 1, Complexo Conventurispress, Orgens 3510-674 Viseu

Subscrever Newsletter
Procurar
Últimas notícias
Visita e protocolo Recreio 1
Câmara de Tondela apoia obras em edifício que acolherá creche no Caramulo
bottle-2032980_1280
Município de Lamego melhora desempenho das estações de tratamento de água
thomas-thompson-KEWVZAwkLxQ-unsplash
Associação do Dão lança projeto turístico que permite experiências rurais
Académico_de_Viseu
Rui Ferreira é o novo treinador do Académico de Viseu