Óbito/ Almeida Henriques: Autarcas destacam o “defensor acérrimo” de Viseu

205

Homem de “convicções fortes” e “defensor acérrimo” de Viseu são características que autarcas da região de Viseu destacam em António Almeida Henriques, nas notas de pesar que escreveram nas páginas da internet das suas autarquias.

“Homem de convicções fortes, defensor acérrimo de Viseu e da região, dedicou a sua vida à causa pública, ocupando diversas funções de grande responsabilidade, tanto ao nível do associativismo, como a nível político”, destacou o presidente de Sátão.

Paulo Santos refere que “nas inúmeras funções que desempenhou, sempre demonstrou uma relação especial de proximidade e defesa do concelho de Sátão, salientando-se o papel principal na manutenção dos Serviços e na criação da nova ligação Sátão-Viseu”.

“Em nome do executivo da Câmara Municipal e do Município de Mangualde, deixo uma palavra de homenagem ao Homem, ao Político à sua dedicação à causa pública e à defesa do nosso território”, escreveu Elísio Oliveira.

O presidente de Vouzela, Rui Ladeira, evidencia o “Homem de convicções fortes, defensor acérrimo de Viseu e da região, dedicou a sua vida à causa pública, destacando-se no associativismo empresarial” e em cargos políticos, como a Câmara de Viseu “onde promoveu diversos investimentos de grande valia e projeção regional e nacional”.

O presidente da União de Freguesias de Viseu, numa nota enviada à agência Lusa, refere que “Viseu ficou mais pobre”, lamenta que “o maldito vírus” tenha tirado a vida de Almeida Henriques, “um homem bom, um visionário que sentia e respirava Viseu e a sua gente”.

“Um homem de fortes convicções e de visão larga, os seus feitos ficarão para sempre presentes na nossa memória e inspirarão as gerações vindouras. Guardaremos para sempre as suas palavras amigas e encorajadoras. A obra perdurará nos tempos”, disse Diamantino Santos.

O ex-deputado e ex-candidato à Câmara de Viseu pelo CDS-PP, no ano em que Almeida Henriques a conquistou pela primeira vez, em 2013, Hélder Amaral, lembra que “foram mais de 30 de uma relação intensa, muitas vezes em lados opostos – na Assembleia Municipal, na Assembleia da República e na vereação da Câmara Municipal de Viseu -, mas também do mesmo lado, como nos governos de coligação”.

“Muito por mérito do António, senti sempre que estávamos do mesmo lado, porque a última palavra dele foi sempre de apaziguamento. São assim os grandes líderes e os bons amigos, pois a minha relação com o António foi muito além da política”, escreveu, numa nota enviada à agência Lusa.

 

Foto: Município de Viseu