Direção Nacional da APBV reuniu com Secretária de Estado da Administração Interna

682

A Direção da Associação Portuguesa dos Bombeiros Voluntários (APBV), reuniu hoje dia 21 de janeiro de 2021
pelas 11h30 com sua Excelência a Senhora Secretária de Estado da Administração Interna.
Esta reunião teve como assunto principal a vacinação contra a COVID-19 dos Bombeiros. A Direção da APBV
mostrou o seu descontentamento pela demora da vacinação dos Operacionais dos Bombeiros, que diariamente
estão envolvidos no transporte de doentes urgentes e não urgentes com e sem COVID-19.
A equiparação de Bombeiros com outras forças de segurança, não é aceitável, pois o índice de exposição e a
probabilidade de infeção pelo vírus é muito superior, relembre-se que neste momento existem cerca de 2000
Bombeiros fora de serviço, uns infetados e outros em isolamento.
Em resposta a esta preocupação a Senhora Secretária de Estado garantiu que a vacinação dos Bombeiros foi
sempre prioritária para a tutela que a sempre esteve considerada na primeira fase, estando previsto iniciar-se,
nos Centros de Saúde durante o mês de fevereiro a vacinação de cerca de 15000 Bombeiros, ou seja 50% do
efetivo, aproximadamente. Segundo a tutela, esta intenção poderá ter alguns ajustes mediante
constrangimentos relacionados com as entregas de vacinas por parte dos fornecedores, referindo por exemplo
que ainda esta semana estavam previstas a entrega de 98000 vacinas e apenas foram entregues 48000.
Em resposta a esta oferta de vacinação imediata, caberá assim aos Corpos de Bombeiros definir prioridades no
que diz respeito à listagem de operacionais a serem vacinados nesta fase, devendo ser dada prioridade aos
elementos que diariamente transportam doentes COVID, aos que fazem emergência pré-hospitalar e
às equipas de intervenção permanente.
A Direção da APBV reconhecendo as dificuldades na disponibilização de vacinas, deixou a sua preocupação
quanto á vacinação dos restantes 50% dos operacionais dos Corpos de Bombeiros, deixando bem explicito que
esta é uma gestão que vai causar muitos constrangimentos operacionais nos quartéis e que terá de ser
acautelada antes do início do Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais (DECIR) 2021, que envolverá
milhares de operacionais dos Bombeiros Voluntários.

 

A Direção da APBV