Catarina Martins desafia Governo a dar “sinais rápidos” de que respeita os professores em Viseu

A coordenadora do BE, Catarina Martins, acusou hoje o Governo de “não ceder um milímetro” e pediu “sinais rápidos” de que os professores são respeitados e ouvidos, desde logo com a aprovação na sexta-feira de duas propostas bloquistas.

No último dia das jornadas parlamentares do BE, Catarina Martins juntou-se à greve nacional dos professores em Viseu, uma concentração no início da qual cumprimentou o secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira.

“A irresponsabilidade e a radicalidade estão do lado do Governo, que não cede um milímetro e com isso está a esvaziar a escola de professores e condições que é necessário para que a escola pública funcione. O Governo tem que dar sinais rápidos, já na próxima sexta-feira pode começar a dar sinais e, claro, negociar o resto”, desafiou a líder bloquista, em declarações aos jornalistas.

Considerando há um “impasse impossível” e que “insensatez está toda do lado do Governo”, Catarina Martins defendeu que o executivo liderado por António Costa “tem no imediato de tomar medidas que tornem a vida dos professores possível”.

“Eu tenho uma sugestão para o Governo agir já: na sexta-feira, no parlamento, são debatidas questões do estatuto dos professores e dos educadores e há duas medidas que o Governo podia aprovar já. Uma era acabar com o bloqueio nos acessos ao quinto e ao sétimo escalões e a outra era pagar despesas de deslocação aos professores deslocados”, disse.

Deixando claro que isto não resolvia todos os problemas, na opinião da líder do BE com estas duas medidas aprovadas “as condições nas escolas eram outras e as condições de negociação eram outras para se avançar em todas as outras matérias”.

“Dar um sinal aos professores de que são respeitados e de que são ouvidos, de que vale a pena trabalhar e dedicarem-se durante décadas à escola pública, permitindo-lhes que progridam na carreira e pagar despesas de deslocação àqueles que fazem quilómetros e quilómetros para garantir que não faltam professores onde são precisos”, enfatizou.

Depois, seria preciso “tudo o resto”, defendeu Catarina Martins, como a contagem do tempo de serviço e as restantes condições na escola.

“O problema do país é não estarem a ser dadas condições para as pessoas poderem ser professores e para quererem ser professores. Mesmo que a greve acabasse amanhã continuávamos a ter uma extraordinária falta de professores”, disse.

Partilhar
Autor
Picture of Notícias de Viseu
Notícias de Viseu
Notícias de Viseu é um órgão de informação regionalista, independente, livre de influências políticas, económicas, religiosas ou quaisquer outras, votado à prática de uma informação cuidada, verdadeira e objetiva.

Novidades

1
pexels-gustavo-fring-4895427
Ilumine o caminho! Escolher entre faróis de LED e de Xénon para o seu automóvel
2
pexels-pixabay-248395
Eco-lavagem, como tornar a limpeza do seu carro em Portugal amiga do ambiente
3
Grafica Con logo de U las palmas
ASICOTUR CONFIRMA AGENDA INTENSA PARA O TIANGÜIS
4
SM REY de ESPAÑA
El Rey de España, Felipe VI, preside un año más el Comité de Honor de Termatalia 2024

Artigos relacionados

Visita e protocolo Recreio 1
bottle-2032980_1280
thomas-thompson-KEWVZAwkLxQ-unsplash
Académico_de_Viseu
Entre em contacto

+351 232 087 050
*Chamada para rede fixa nacional

geral@noticiasdeviseu.com
publicidade@noticiasdeviseu.com

Avenida do Convento nº 1, Complexo Conventurispress, Orgens 3510-674 Viseu

Subscrever Newsletter
Procurar
Últimas notícias
Visita e protocolo Recreio 1
Câmara de Tondela apoia obras em edifício que acolherá creche no Caramulo
bottle-2032980_1280
Município de Lamego melhora desempenho das estações de tratamento de água
thomas-thompson-KEWVZAwkLxQ-unsplash
Associação do Dão lança projeto turístico que permite experiências rurais
Académico_de_Viseu
Rui Ferreira é o novo treinador do Académico de Viseu