Aviões de combate a incêndios passam “no imediato” de Vila Real para Viseu

12

Os dois aviões médios anfíbios de combate a incêndios vão ser reposicionados hoje em Viseu, informou a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), depois de o aeródromo de Vila Real ter encerrado por razões de segurança.
A Câmara de Vila Real anunciou hoje o encerramento do aeródromo municipal “por tempo indeterminado” à operação de aviões, depois de ter sido detetado “um perigo de abatimento na pista”.
Em resposta a um pedido de esclarecimentos da agência Lusa, a ANEPC explicou que tem três meios aéreos a operar a partir do aeródromo de Vila Real: um helicóptero ligeiro e dois aviões médios anfíbios.
Em consequência deste encerramento, a Autoridade referiu que os aviões “serão reposicionados hoje no aeródromo de Viseu”.
“No imediato, ainda hoje, serão reposicionados no aeródromo de Viseu. No entanto, estão a ser estudadas outras alternativas de operação a curto/médio prazo”, salientou a fonte.
De acordo com a Autoridade, o encerramento “não impede a operação do helicóptero ligeiro” a partir de Vila Real.
A ANEPC disse que “o reposicionamento dos meios aéreos atende a critérios como a situação operacional em curso ou previsível, bem como a variáveis meteorológicas, histórico e mapa de perigosidade, e tem como referência os centros de meios aéreos passíveis de serem utilizados por cada tipologia de aeronave, designadamente a capacidade de combustível necessária, comprimentos de pista e infraestruturas de apoio à operação”.
“Os dois aviões médios anfíbios não deixarão de estar operacionais, sendo apenas reposicionados do aeródromo de Vila Real para o aeródromo de Viseu”, garantiu a Autoridade Nacional.
O presidente da Câmara de Vila Real, Rui Santos, disse que foram feitos ensaios técnicos e uma avaliação por firmas independentes, que “comprovaram uma fragilidade do solo que sustenta o piso da pista devido à travessia transversal de uma linha de água em profundidade”.
O autarca referiu que esta linha de água, localizada a sete, oito metros de profundidade, “tem erodido o solo nessa área” e “está a comprometer a sua segurança”.
“Razão primeira e suficiente para procedermos ao seu encerramento preventivo”, afirmou.
O resultado do relatório foi conhecido na segunda-feira e, segundo Rui Santos, o município “agiu de imediato”.
O presidente afirmou que a resolução do problema vai obrigar a um “investimento muito avultado”, entre os “350 mil a 400 mil euros”, o que implica a abertura de um concurso público, bem como o aval do Tribunal de Contas.
“Sendo uma despesa avultada e não prevista no orçamento municipal, será necessário que o município procure, junto do Governo e das entidades estatais afetadas, uma solução financeira que permita a viabilização desta reparação no mais curto período de tempo possível”, afirmou Rui Santos.