Socialista João Azevedo quer Viseu “líder do investimento europeu”

810

O candidato do PS à Câmara de Viseu, João Azevedo, disse no sábado à noite que tem a “oportunidade de ouro” de transformar Viseu no concelho “líder do investimento europeu” e líder de contratos programas com o Governo.

“Temos a oportunidade de ouro de transformar Viseu no líder, no campeão, do investimento europeu. Nós temos de transformar Viseu no líder da captação dos fundos comunitários, temos de transformar Viseu no líder, no campeão, dos contratos programas com o Governo e com o que podemos fazer diretamente com a União Europeia. É assim que queremos Viseu, mais forte, mais pojante, mais liderante e mais capaz de tornar este território mais competitivo”, assumiu João Azevedo.

Na noite da sua apresentação pública enquanto candidato a presidente da autarquia de Viseu, pelo PS, com a presença do secretário-geral do partido, António Costa, João Azevedo falou nas lutas pelas quais se vai debater, e que conta com o apoio do Governo, como as da área da saúde e da comunicação, e destacou a indústria para os próximos anos.

“Também queremos colocar aqui uma área fundamental que é a industrialização do concelho. António Costa referiu a ligação à área empresarial de Mundão e eu acrescento Lordosa (norte) e o sul do concelho, onde temos a capacidade de promover uma nova área de localização empresarial”, defendeu.

Para o candidato, “é preciso aproveitar, não só o que hoje está vertido no plano Diretor Municipal (PDM), mas também aquilo que pode ser previsto e mudado na atual revisão do PDM” de Viseu.

“É preciso reforçar, muscular o concelho de Viseu com mais indústria. Indústria moderna, com melhor emprego, com mais emprego, com mais qualificação e com mais igualdade salarial entre as mulheres e os homens. Devemos fazer isso todos os dias, semanas e meses dos próximos anos”, assumiu.

Neste sentido, considerou que Viseu “é um porta aviões que precisa de ser comandado com uma liderança forte, com capacidade de gerar receita que consegue atrelar os fundos comunitários”, um feito que João Azevedo acredita que Viseu consegue porque “tem capacidade para liderar politicamente e orçamentalmente”.

João Azevedo considerou ainda que “as políticas públicas” de Viseu “não foram as melhores” e, por isso, “é que nos últimos anos perdeu pessoas e não podia ter perdido, porque é um concelho muito importante no interior” do país.

Na sua apresentação pública, João Azevedo lembrou antigos líderes distritais do PSD e apelidou de “triângulo virtuoso” ao elogiar António Costa e ao falar na sua “maior referência pessoal e política, Jorge Coelho”.

“Faremos tudo para que possa fazer o que lhe prometi em vida: trabalho, dedicação, confiança, solidariedade e, especialmente, aquilo que ele mais e melhor me ensinou: a determinação em defender os territórios da região Centro e desta região que era dele, onde ele nasceu e onde tanto lutou por nós”, destacou.

Durante o seu discurso, António Costa frisou que João Azevedo “não cai de paraquedas” em Viseu e que é um candidato “com provas dadas”, também enquanto presidente da Câmara, no concelho vizinho de Mangualde, e “é um homem trabalhador” e “com vontade de unir que é isso que Viseu precisa”.

À Câmara de Viseu concorrem também às eleições autárquicas deste ano João Azevedo (PS), Pedro Calheiros (Chega), Fernando Figueiredo (Iniciativa Liberal), Francisco Almeida (CDU), Manuela Antunes (BE) e Fernando Ruas (PSD).

Nas eleições autárquicas de 2017, o PSD conseguiu 51,74% dos votos (seis mandatos) e o PS 26,46% (três mandatos). O BE foi a quarta força política mais votada, com 4,79% dos votos.

As eleições autárquicas foram marcadas para 26 de setembro.