Penalva do Castelo cria ciclovia para reduzir viaturas no centro da vila

250

A Câmara de Penalva do Castelo está a construir uma ciclovia na vila, que liga os principais serviços, com o intuito de reduzir a circulação de viaturas no centro, disse à agência Lusa o presidente do município.

“A ciclovia deverá estar pronta até fim de junho e nasce junto à Escola Básica 2,3 e deriva pelas piscinas municipais, pelo Parque da Lameira, pelas antigas instalações da Câmara, hoje Loja do Cidadão, e vem até aos Paços do Concelho”, descreveu Francisco Carvalho.

Para o autarca, esta “é uma maneira de descarbonização da vila e de poupança dos combustíveis fósseis”, porque, com esta obra, “a prioridade está dada aos passeios e à bicicleta”.

“Com esta candidatura, num investimento na ordem dos 300 mil euros, além de querermos reduzir as viaturas no centro da vila, também melhoramos os passeios que envolvem os principais serviços, nomeadamente junto das escolas e piscinas”, especificou.

Francisco Carvalho contou que o trajeto pensado para a construção da ciclovia corresponde àquele onde, “habitualmente, anda mais gente a pé” na vila, promovendo, desta forma, “melhores condições” para os transeuntes e estimulando “o uso da bicicleta e as caminhadas”.

“São cerca de dois quilómetros em pleno centro da localidade, o que nos leva a acreditar que os carros irão ficar parados e as pessoas vão circular ainda mais a pé nesta área mais urbana” de Penalva do Castelo, disse.

O autarca socialista adiantou ainda à agência Lusa que tem um outro projeto a decorrer na vila que envolve “o antigo Ciclo, a Escola Preparatória Sebastião Alcântara, por onde passou toda uma geração” do próprio presidente.

Hoje, com “a necessidade de uma requalificação profunda”, o espaço “vai ser alvo de uma intervenção para instalar com mais qualidade as associações que já lá estão, mas com o objetivo de albergar mais”.

Após a requalificação, Francisco Carvalho disse que vai lá ficar instalada “uma loja social, um espaço multiúsos, que será também de convívio para a população mais idosa”, onde pode “ouvir histórias, ler e ouvir música, assim como as crianças que estão no infantário logo ao lado”.

“Será um centro de convívio onde também estarão as sedes de associações, ou seja, um edifício ao serviço da comunidade que deverá estar pronto ainda este ano, lá para setembro, num investimento que ronda os 350.000 euros”, adiantou.

O autarca lembrou que desde a desativação daquela escola, o executivo municipal colocou lá o cartório que, entretanto, adquiriu instalações próprias deixando a estrutura, que era de um particular, ao abandono.

Francisco Carvalho lembrou que, quando chegou à Câmara negociou a compra do edifício, já que continuava a pagar renda e, em 2014 adquiriu-o por 100.000 euros, tendo feito “algumas obras para alojar algumas associações” do concelho, no distrito de Viseu.

“Agora vamos requalificar, dando prioridade à eficiência energética, colocando um telhado, metendo capoto, substituindo as janelas e as portas, para dar mais conforto e economizar energia, e vamos recuperar o espaço envolvente”, descreveu.