Estratificação social é um dos focos do novo trabalho da Amarelo Silvestre

A companhia de teatro Amarelo Silvestre estreia o “Diário de uma República II”, peça na qual “inquietações” do dramaturgo, como a estratificação social e as suas implicações, estão em destaque.

“Há muito esta visão de que o patrão é sempre o mau da fita e o empregado não, apesar de sabermos que não é bem assim, mas a ideia de que é permanece e esta questão obriga a reflexão”, disse o diretor artístico à agência Lusa.

Fernando Giestas falava a propósito da antestreia de o “Diário de uma República II”, na sexta-feira, em Canas de Senhorim, Nelas, distrito de Viseu, onde a companhia de teatro reside.

Uma reflexão que Fernando Giestas assumiu não querer “defender o patrão contra o mundo”, mas “as metáforas são lançadas e as pessoas, se quiserem, questionam-se e refletem sobre o assunto”.

“O texto tem um momento em que diz: perguntaram-me noutro dia o momento em que me tornei patrão e eu digo, eu estava desempregado, o dinheiro começou a faltar e a culpa por estar desempregado começou a aumentar”, desvendou.

E continuou: “E eu decidi criar o meu emprego. Tornei-me patrão por uma questão de sobrevivência e agora sou aquele que tem o poder de proporcionar dias santos na loja quando estou fora. Digo eu”.

“Deixei de ser colega. Não me sinto patrão, mas os outros olham para mim como patrão e isso é o que basta para se ser o que quer que seja. Passei a estar do lado do ‘eles’, quando a conversa é sobre nós e eles. E é isto”, disse.

Estas são algumas das inquietações que passou para o papel, assim como no “Diário de uma República I”, que estreou em 2021.

Dramaturgo, diretor artístico e um dos diretores da Amarelo Silvestre, Fernando Giestas mantém “a mesma inquietação” na escrita, ou seja, “não é um texto com princípio meio e fim, são reflexões, questões, sobre algo”.

Esta segunda edição “levanta outras questões, quem sabe outras memórias, outras vivências” e “quem não viu o primeiro, pode ver o segundo, porque não é uma continuação, mas quem assistir aos dois vai fazer ligações” no espetáculo.

Segundo a direção artística, o “Diário de uma República” é um projeto de teatro e fotografia, uma reflexão artística sobre as pessoas e os territórios da República entre 2020 – 2030.

Depois da antestreia na sexta-feira, em Canas de Senhorim (Nelas, distrito de Viseu), a peça segue para Loulé e depois continua por Portalegre, Seia, Leiria, Ponte de Lima, Viana do Castelo e, em 2024, no Teatro Nacional São Luiz, em Lisboa.

Partilhar
Autor
Picture of Notícias de Viseu
Notícias de Viseu
Notícias de Viseu é um órgão de informação regionalista, independente, livre de influências políticas, económicas, religiosas ou quaisquer outras, votado à prática de uma informação cuidada, verdadeira e objetiva.

Novidades

1
Académico_de_Viseu
Rui Ferreira é o novo treinador do Académico de Viseu
2
Rossio Viseu
Prejuízo de 1,5 ME nos transportes públicos leva Câmara de Viseu a abrir concurso
3
pexels-boom-12585940
Jornalistas desportivos distinguem Carlos Lopes por mérito internacional
4
Académico_de_Viseu
União de Leiria vence Académico de Viseu no fecho da 33.ª jornada da II Liga

Artigos relacionados

Visita e protocolo Recreio 1
bottle-2032980_1280
thomas-thompson-KEWVZAwkLxQ-unsplash
Prémio Heathy 3
Entre em contacto

+351 232 087 050
*Chamada para rede fixa nacional

geral@noticiasdeviseu.com
publicidade@noticiasdeviseu.com

Avenida do Convento nº 1, Complexo Conventurispress, Orgens 3510-674 Viseu

Subscrever Newsletter
Procurar
Últimas notícias
Visita e protocolo Recreio 1
Câmara de Tondela apoia obras em edifício que acolherá creche no Caramulo
bottle-2032980_1280
Município de Lamego melhora desempenho das estações de tratamento de água
thomas-thompson-KEWVZAwkLxQ-unsplash
Associação do Dão lança projeto turístico que permite experiências rurais
Académico_de_Viseu
Rui Ferreira é o novo treinador do Académico de Viseu