26ª EDIÇÃO CHEGA EM DUPLO FORMATO: ENTRE O FÍSICO E O DIGITAL COM ECOTALKS LIVE

192

É já partir do dia 10 de outubro que o Festival Internacional de Cinema Ambiental da Serra da Estrela abre portas para mais uma edição, a 26ª. A Casa Municipal da Cultura de Seia volta a receber dezenas de documentários e filmes dedicados à temática ambiental, numa altura particularmente desafiante para todos.

O CineEco, como em toda a sua já longa história de edições, ininterruptas, vai mesmo realizar-se. ”Este ano tentamos transformar as adversidades em desafios e soluções para o futuro, isto para que a nossa mensagem continue a ser transmitida com clareza, atualidade e profundidade – hoje é cada vez mais urgente abordar e sensibilizar para as temáticas ambientais. Na verdade, há cada vez mais evidências na relação entre a destruição do meio-ambiente, as alterações climáticas e o surgimento de epidemias. Tudo está interligado, o CineEco resiste para testemunhá-lo”, admite a direção deste Festival.

O CineEco 2020 acontece em duplo formato – físico e digital – dadas as contingências inerentes ao atual cenário de crise pandémica. Os 77 filmes e documentários oriundos de 25 países serão exibidos em sala, mas com evidentes restrições na admissão de público e respeitando todas as recomendações da Direção-Geral de Saúde.

Já as Ecotalks serão transmitidas, via streaming live no Facebook do CineEco. Ao todo vão ser 5 debates online, com duração de uma hora, sobre as temáticas atuais associadas ao cinema e ambiente. No dia 11 de outubro, Mário Branquinho modera o debate “Festivais de Cinema! E agora?” com Ilda Santiago, diretora de Cinema do Rio (Brasil) e Fernando Vasquez, do Fest – Festival Novos Realizadores Novo Cinema, sobre o futuro da Sétima Arte face à crise pandémica e ao recrudescimento das transmissões streaming. Será que as plataformas streaming estão mesmo a retirar essência aos eventos?

No dia 12, “Film Comissions – Cinema e Territórios” é o mote para a segunda Ecotalk que contará com a participação de João Paulo Macedo, Bando à Parte e Minho Film Comission, e Manuel Claro da Portugal Film Comission. A moderação é de Bruno Manique da Film Comission do Centro e programador do CineEco 2020.

Já a 13 de outubro, Nuno Barros da Lipor, modera a Ecotalk sobre “As novas tecnologias e a educação ambiental”, com Emanuel Monteiro, do serviço educativo da LIPOR e Filipa Fernandes, do Pavilhão da Água (Aquaporto). “O Cinema com escolas e novos públicos” é o tema central em discussão no dia 15 de outubro, uma temática que é bem próxima do CineEco que, desde sempre, e à exceção deste ano, dadas as atuais contingências, tem levado a públicos do pré-escolar ao ensino universitário o debate sobre Ambiente com realizadores internacionais e nacionais em contexto escolar. Rúben Sevivas (UBI), realizador, produtor e programador CineEco2020 modera o debate com Paulo Cunha (UBI; Curtas de Vila do Conde) e Camilo Cavalcante, realizador brasileiro. A última Ecotalk acontece a 16 de outubro com uma abordagem sobre televisão e cinema e o que importa falar sobre as interligações e diferenças nestas duas áreas de entretenimento. Tiago Alves, jornalista da RTP e programador do CineEco 2020 modera o painel constituído por Suzanna Lira, cineasta brasileira, e Pandora da Cunha Telles, produtora Ukbar Filmes.

Todas as Ecotalks têm transmissão live, às 17 horas, no Facebook do CineEco, sem necessidade de pré-registo ou inscrição obrigatória.

As atividades paralelas estão igualmente contempladas na 26ª edição do CineEco, mas também vão ser alvo de restrições no acesso ao público e respeito pelas normas de segurança, higiene e distanciamento.

No primeiro dia do Festival, 10 de outubro, às 17 horas, é inaugurada “Rumores do Mundo: Pessoas, Lugares, Outros Olhares”. Nas galerias da Casa Municipal da Cultura de Seia, a mostra fotográfica propõem-nos uma viagem sobre recônditos territórios e paisagens naturais e humanas dispersas pelos diferentes continentes. Esta exposição estará patente até 30 de novembro. No mesmo local, estará igualmente exposto o trabalho ancorado na atividade de Elsa Cerqueira e que resultou no desafio lançado a 44 artistas, denominado “De Tela a Tela, Cineviagens”, mostra sobre a diversidade de técnicas do cinema de animação nacional e estrangeiro.

Numa parceria conjunta entre o Município de Seia e o Festival DME, Hugo Simões apresenta, na Casa Municipal da Cultura de Seia, às 18 horas, a performance Finding a Place to Land, uma interpretação de obras de música contemporânea projetadas com imagens e vídeos. Pelas 21h30, o concerto de abertura do CineEco ficará a cargo de Pedro e os Lobos, com a apresentação do álbum “Depois da Tempestade”. A entrada é gratuita, mas é necessário reservar entradas previamente.

A 14 de outubro, será apresentado o livro “Plasticus Maritimus” da autoria de Ana Pêgo e Isabel Minhós Martins. Trata-se de uma obra que retrata o flagelo do plástico nos oceanos e pretende motivar os leitores para a mudança.

CineEco 2020 com cinema português em alta

Em tempo de pandemia, a 26ªedição do CineEco traz um novo olhar sobre a premente consciencialização e urgência no debate sobre os temas ambientais.

Este ano, o cinema ambiental em língua portuguesa está em grande destaque, entre longas e curtas-metragens, representando cerca de metade de todas as obras em competição.

competição Internacional de Curtas-Metragens conta com 34 filmes, destacando-se o aumento do número de obras portuguesas, em relação às edições anteriores.

Na competição de Longas-Metragens em Língua Portuguesa destacam-se três documentários portugueses: Silêncio – Vozes de Lisboa de Judit Kalmár e Céline Coste Carlisle; Cerro dos Pios de Miguel de Jesus e A Alma de Um Ciclista de Nuno Tavares. O Índio Cor de Rosa Contra a Fera Invisível, do brasileiro Tiago Carvalho, fecha o quadro desta competição.

Por seu lado,  na competição de Curtas-Metragens em Língua Portuguesa concorrem 12 obras e na competição de Séries e Reportagens televisivassete dos nove trabalhos apresentados têm assinatura portuguesa. O CineEco tem ainda oito curtas na competição Panorama Regional, de realizadores locais e/ou de temáticas ligadas à região.

A 26ª edição do Festival de Cinema Ambiental da Serra da Estrela será realizada ao abrigo de todas orientações e recomendações previstas pela Direção-Geral de Saúde. A Casa Municipal da Cultura de Seia, que detém o selo Clean & Safe, estará preparada para acolher o público, seguindo todas as regras de segurança que estão estabelecidas. A lotação das salas ficará reduzida a metade da sua capacidade total. O Cineteatro poderá receber até 170 pessoas e o Auditório até 70.

Não está prevista a presença de alunos do 1º ciclo e jardim-de-infância, que habitualmente se deslocavam ao CineEco, e haverá também uma diminuição do número de convidados, como realizadores, elementos do júri da juventude, padrinhos, entre outros.

Todas as sessões e atividades paralelas irão decorrer em sala e estão sujeitas a marcação prévia, não estando previstas sessões online.

Um dos mais antigos festivais de Cinema Ambiental do mundo, o único do género em Portugal, conta com uma Seleção Oficial de 77 filmes, de mais de 25 países, com abordagens diversas sobre temáticas ambientais e de sustentabilidade.

O CineEco 2020 é organizado pelo Município de Seia e conta com o Alto Patrocínio do Presidente da República e do Departamento de Ambiente das Nações Unidas. Conta ainda como patrocinador principal a Lipor e com o patrocínio das Águas do Vale do Tejo.