Francisco Almeida (CDU), o inconformado que quer uma vida melhor para a população

nconformado com o “escandaloso abandono” a que o poder político tem votado o interior do país, o professor Francisco Almeida avança pela CDU nas próximas eleições autárquicas para lutar por uma vida melhor para quem vive em Viseu.

“Gosto de Viseu e isso motiva-me a defender esta minha terra e todos os que nela vivem e trabalham”, afirma Francisco Almeida, de 62 anos, que deu a cara pelos movimentos contra as portagens nas autoestradas A25 e A24, e pela criação da universidade pública de Viseu.

Natural do concelho de Vouzela, Francisco Almeida é professor do Ensino Básico especializado em Gestão e Administração Escolar e coordenador do Sindicato dos Professores da Região Centro no distrito de Viseu.

A sua intervenção política iniciou-se logo após o 25 de Abril de 1974, tendo sido membro da direção da Associação de Estudantes da Secção Técnica de Vouzela da Escola Industrial e Comercial de Viseu.

“Nesta escola, fui também membro do conselho diretivo, quando, à época, os estudantes tinham participação na gestão das escolas. Creio que foi aí que iniciei a minha intervenção cívica e, de certa forma, política”, refere.

O dirigente sindical não tem dúvidas de que os seus professores foram determinantes na sua formação política. Em 1983, tornou-se militante do PCP, partido em que ocupa vários cargos, tendo já sido candidato a órgãos autárquicos nos concelhos de Vouzela e de Viseu.

Francisco Almeida também já foi candidato em eleições legislativas pelo círculo eleitoral de Viseu, mas, agora, entendeu voltar a ser o momento de encabeçar a lista à Câmara da capital de distrito.

“Não me conformo com uma gestão municipal que se limita a fazer esta ou aquela obra, mas não tem uma visão estratégica para o concelho de Viseu e, em simultâneo, se conforma com o esquecimento a que o Terreiro do Paço nos vota”, afirma.

O candidato comunista não aceita que os órgãos municipais “se fiquem por piedosas declarações sobre a falta do caminho-de-ferro em Viseu” ou “a inércia relativamente à criação da universidade pública de Viseu”, e critica “a falta do matadouro ou o roubo que constituem as portagens nas duas autoestradas que servem as ligações regionais” do concelho (A25 e A24).

“As potencialidades do concelho são muitas se vistas a partir também dos concelhos que nos rodeiam”, sublinha o porta-voz da Comissão de Utentes Contra as Portagens na A25, A24 e A23 e membro do conselho nacional e do secretariado nacional da Fenprof (Federação Nacional de Professores).

Se for eleito, Francisco Almeida terá como principal preocupação “dialogar, ouvir e mobilizar vontades para que seja possível viver melhor” em Viseu.

“Creio que a Câmara e a Assembleia Municipal de Viseu devem reverter o processo de municipalização de áreas fundamentais como a saúde e a educação. O Governo do PS quer sacudir responsabilidades em áreas centrais da nossa vida”, considera.

O candidato comunista sublinha que “a educação, a saúde e a segurança social ou a segurança pública são responsabilidade do Estado”.

“É claro que o poder local deve ser parceiro nestas matérias, mas não deve assumir responsabilidades do poder central, nomeadamente do Governo”, defende.

No que respeita a obras, Francisco Almeida entende que o concelho de Viseu precisa de algumas “de pequena dimensão”. Mas, além dessas obras, “faz falta uma visão estratégica que contribua para que se viva melhor”, como a ligação à ferrovia ou a requalificação da Estrada Nacional 229 (que liga ao Sátão).

Francisco Almeida defende ainda que é necessário “baixar o custo exagerado da água”, desenvolver um plano turístico tendo em conta que Viseu está no centro de uma região que inclui termas em cinco concelhos e várias serras, e construir um metro de superfície que, numa primeira fase, ligue Viseu à região de Lafões.

Para o professor, um presidente da Câmara deve dialogar, ouvir todas as opiniões e construir consensos, “promover o acesso de todos aos processos de suporte das decisões tomadas” e “assumir a diferença, quando for caso disso”.

Nas eleições autárquicas de 2017, o PSD conseguiu 51,74% dos votos (seis mandatos) e o PS 26,46% (três mandatos). A CDU (PCP–PEV) conquistou 3,85% da votação.

Partilhar
Autor
Notícias de Viseu
Notícias de Viseu
Notícias de Viseu é um órgão de informação regionalista, independente, livre de influências políticas, económicas, religiosas ou quaisquer outras, votado à prática de uma informação cuidada, verdadeira e objetiva.

Novidades

1
Acidente carro
Colisão entre motociclo e veículo ligeiro em Viseu provoca uma vítima mortal
2
Viseu
Centro histórico de Viseu sem carros ao fim de semana até setembro
3
urgências médico hospital
Hospital de Viseu com central de esterilização informatizada
4
Viseu
Antigo terreno da estação de comboios de Viseu em hasta por 4,2 ME

Artigos relacionados

pexels-pixabay-47730
CINFAES
santa comba dão
Oliveira de Frades Rockfest
Entre em contacto

+351 232 087 050
*Chamada para rede fixa nacional

geral@noticiasdeviseu.com
publicidade@noticiasdeviseu.com

Avenida do Convento nº 1, Complexo Conventurispress, Orgens 3510-674 Viseu

Subscrever Newsletter
Fique por dentro das últimas novidades e conteúdo exclusivo.
Procurar
Últimas notícias
pexels-pixabay-47730
Quase 100 pessoas impedidas de entrar em recintos desportivos em 2024 – APCVD
Acidente carro
Colisão entre motociclo e veículo ligeiro em Viseu provoca uma vítima mortal
CINFAES
Câmara de Cinfães atribui mais de 100 mil euros em 216 bolsas de estudo
santa comba dão
Autarca de Santa Comba Dão considera que “há outras maneiras” de celebrar democracia