NÊS MURTA E NUNO BORGES CAMPEÕES NA FIGUEIRA DA FOZ

532

Chegou ao fim a terceira etapa do Circuito Sénior da Federação Portuguesa de Ténis, que coroou dois “repetentes”: Inês Murta deu continuidade à senda de vitórias para conquistar o segundo troféu em duas semanas e Nuno Borges regressou aos títulos, desta vez no Tennis Club da Figueira da Foz.

Pela terceira vez em três semanas, a final feminina colocou frente a frente as duas melhores jogadoras portuguesas da atualidade. Francisca Jorge (número um nacional e 579 do “ranking” mundial WTA) venceu na Vale do Lobo Tennis Academy, mas Inês Murta (645.ª) conseguiu a desforra no Lisboa Racket Centre e voltou a sorrir por último na final deste domingo, agora com os parciais de 7-5, 4-6 e 6-1.

Se em Lisboa a final foi desequilibrada, na Figueira da Foz foi pautada pelo equilíbrio durante os dois primeiros “sets”, em que o vento e o nevoeiro — característico, mas uma novidade em relação aos primeiros dias do torneio — alteraram por completo as condições de jogo e criaram mais dificuldades às jogadoras, em especial na pancada de serviço.

Tal como o tempo agreste, também o equilíbrio se dissipou no início do terceiro “set”. Inês Murta foi a jogadora que melhor reagiu e lidou com o cansaço acumulado e conseguiu ser agressiva para quebrar por três vezes em três oportunidades o serviço da adversária e colega de seleção, acabando a somar a 11.ª vitória em 12 encontros realizados desde o regresso do ténis competitivo.

“Estava bastante nervosa. Torna-se pesado jogar três finais contra ela, sei que é sempre um jogo duro e já nos conhecemos muito bem há muitos anos, jogámos juntas na Fed Cup. Estava à espera de uma final mentalmente dura e pesada, mas estou muito contente com a forma como lidei com os nervos e como lutei do princípio ao fim, independentemente do resultado”, revelou a tenista algarvia de 23 anos depois do encontro.

Na decisão masculina, Nuno Borges (número 599 mundial) apresentou o melhor nível da semana para vencer de forma autoritária uma final entre dois “universitários”, ao aplicar 6-1 e 6-1 a Duarte Vale.

O maiato, que estudou na Mississipi State University e chegou a número um do circuito universitário norte-americano, esteve irrepreensível no serviço e na resposta e tirou espaço e tempo ao cascalense, que faz parte da University of Florida e também já se tornou num dos melhores tenistas da primeira divisão nos EUA.

Depois de vencer, Nuno Borges concordou que a eficácia nas primeiras pancadas foi decisiva, mas considerou que “o resultado é um pouco enganador, porque houve vários momentos em que o encontro podia ter virado para o lado dele”.

 

“Senti que aproveitei melhor as oportunidades e que dentro do nervosismo com que entrámos consegui jogar bem. E quando o resultado começa a ficar favorável é só aproveitar a vantagem e jogar bom ténis”, acrescentou, antes de confessar que os torneios do Circuito Sénior FPT o fizeram recuperar “muita confiança”.

 

Para o jogador da Escola de Ténis da Maia, a vitória na Figueira da Foz traduziu-se no segundo título em três semanas de competição em solo nacional: na primeira, na Vale do Lobo Tennis Academy, derrotou João Sousa e Gastão Elias rumo à vitória.

Vasco Costa, presidente da Federação Portuguesa de Ténis, fez um balanço positivo da etapa no Tennis Club da Figueira da Foz. “Foi mais uma semana muito positiva, como foram as duas anteriores. Os nossos jogadores estão a jogar cada vez melhor e com mais ritmo competitivo, que era o nosso objetivo: tentar preparar da melhor forma o recomeço da atividade internacional. Os torneios começaram no fim de agosto e estamos muito contentes.”

Na “flash interview” à Sport TV, o presidente da FPT falou ainda das desistências que se verificaram ao longo da semana — nomeadamente de Pedro SousaFrederico Silva e Gastão Elias. “Os atletas estiveram várias semanas parados, meses até, e neste recomeço estão com alguma precaução porque a grande prioridade é o recomeço do circuito internacional. É natural que ao primeiro sintoma de uma lesão não a queiram agravar e desistam. Mas eles também estão muito ansiosos por jogar o Campeonato Nacional Absoluto, porque muitos deles nunca o jogaram e outros nunca o ganharam. Vejo-os com muita vontade para a próxima semana.”

A derradeira jornada também contou com a presença de Carlos Monteiro, presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz, que salientou a importância do acontecimento: “Tivemos aqui a elite do ténis nacional e não só, tivemos aqui atletas de topo. E tivemos a oportunidade de mostrar um clube que está inserido numa zona incrível da cidade e esta cidade maravilhosa, com uma luminosidade incrível. A nossa campanha foi subordinada a esta temática, porque a Figueira tem tudo em segurança. E felizmente temos muitos espaços livres em que as pessoas podem estar, ver e observar estando em segurança.”

Concluída a terceira etapa do Circuito Sénior FPT, o ténis nacional segue para a cidade do Porto, onde este domingo já começou a edição de 2020 do Campeonato Nacional Absoluto/Taça Guilherme Pinto Basto, dotado de 20 mil euros em prémios monetários.