Viseu Dão Lafões precisa de projetos como o Living the Future Academy

241

O presidente da Comunidade Intermunicipal (CIM) Viseu Dão Lafões, Fernando Ruas, defendeu hoje que este território precisa de projetos como o Living the Future Academy, liderado pela Universidade de Coimbra (UC), para se desenvolver.

A CIM celebrou hoje um protocolo de colaboração com a UC no âmbito do projeto Living the Future Academy, que está focado na promoção de programas e cursos de formação inovadores, adaptados a diferentes segmentos da população e em coordenação com empregadores e organizações económicas, sociais, políticas e territoriais da região Centro.

Fernando Ruas destacou a “forte aposta na qualificação” e o facto de o projeto se desenvolver “de uma forma bem estruturada”, envolvendo, por um lado, “as instituições do saber”, e, por outro, “os representantes dos territórios”.

“Muitas vezes temos jovens formados e que perguntam: ‘para que é que eu fiz este curso?’ É bom que haja esta oportunidade de, ao longo dos tempos, ir adaptando a nossa formação àquilo que os territórios realmente necessitam”, frisou o autarca social-democrata, que também preside a Câmara de Viseu.

Segundo Fernando Ruas, os autarcas dos 14 municípios que integram a CIM Viseu Dão Lafões têm feito “um esforço enorme para tratar dos territórios” que lhes foram confiados, mas agradecem este tipo de ajudas.

A vice-reitora da UC Cristina Albuquerque considerou que o território da CIM Viseu Dão Lafões “tem imensas potencialidades, é uma região com muita diversidade em vários domínios”, como no tecido empresarial, no comercial, nas escolas e nas características geográficas.

“Pretendemos, através deste projeto, desenvolver iniciativas transversais às várias CIM, mas também iniciativas adaptadas a esta vossa especificidade e, para isso, precisamos escutar as propostas que têm para nos apresentar”, afirmou.

Segundo Cristina Albuquerque, “a formação autárquica e a administração pública, que pode ser importante para as várias regiões”, foi proposta à UC pela CIM Viseu Dão Lafões.

Formação para instituições de âmbito social e projetos que liguem as empresas da região ao ensino superior foram também pensados.

“Temos já em curso e em preparação muitos projetos. Estamos abertos à colaboração convosco. A assinatura do protocolo hoje vem apenas validar todos estes objetivos”, frisou.

Liderado pela UC, o Living the Future Academy tem como parceiros a Universidade dos Açores, a Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, o Instituto Politécnico de Viseu e o Politécnico da Guarda. Arrancou com 104 parceiros e nove ‘clusters’, envolvendo mais de 300 associados.

“Entendemos que deveríamos olhar para este desafio como uma oportunidade regional e não uma questão da Universidade de Coimbra”, justificou o reitor Amílcar Falcão, sublinhando a importância de trabalhar em conjunto numa altura em que “o país caminha a passos largos para uma bipolarização inaceitável”.

A região Centro “tem que se afirmar em conjunto e, para isso, devemos recorrer a este tipo de ferramentas”, acrescentou.

No âmbito deste projeto – que é financiado com 16,5 milhões de euros pelo Plano de Recuperação e Resiliência – a UC ambiciona diplomar, em quatro anos, entre 8.000 a 12.000 pessoas.

O projeto prevê a criação de nove novos cursos de licenciatura e mestrado e de mais de uma centena de cursos curtos, não conferentes de grau, no âmbito de oito “academias” temáticas dedicadas a “’soft skills’, inteligência digital, robótica, saúde e longevidade, formação de professores, empreendedorismo jovem e sustentabilidade e economia circular”, entre outros.