Artistas de Rua

Programa de apoio à cultura de Viseu tem candidaturas abertas a todos os eixos

1179

A Câmara de Viseu anunciou hoje que tem abertas candidaturas a todos os eixos do programa de apoio à cultura que, no total, prevê um apoio financeiro de 1.230.000 euros para este ano.

Em janeiro, o executivo camarário aprovou novas regras para este programa. Durante os mandatos de Almeida Henriques (PSD), esteve em vigor o programa Viseu Cultura, que agora foi reformulado e passou a chamar-se Eixo Cultura – Viseu 2022/2025.

Os 1.230.000 euros serão distribuídos por seis eixos culturais: parcerias de programação, criação artística, programação artística, artistas e projetos emergentes, atividades com apoio anual e Teatro Viriato (este último não implica candidatura).

A autarquia já tinha anunciado a abertura das candidaturas a dois eixos e hoje comunicou que os interessados também já podem concorrer aos outros três (criação artística, programação artística, artistas e projetos emergentes), devendo as propostas ser submetidas até ao próximo dia 27.

Segundo a autarquia, “o eixo 2 pretende apoiar a criação artística de projetos de caráter autoral” e conta com a dotação financeira de 150.000 euros.

As áreas abrangidas são as artes performativas (música, teatro, dança, cinema e multimédia e circo contemporâneo), as artes visuais (artes plásticas e fotografia), as artes de rua, a promoção do livro e da leitura e o cruzamento disciplinar (nos domínios da criação e da edição), acrescenta.

Como estão englobadas diferentes fases, que vão desde a conceção à apresentação dos projetos (não incluídos em eventos) no município de Viseu”, divide-se em duas medidas, uma destinada à criação/produção, na qual cada entidade pode receber de 7.500 a 20.000 euros por projeto por ano, e outra relativa à edição, variando os valores de financiamento entre 5.000 e 10.000 euros.

O eixo 3 surgiu “com o intuito de promover a programação artística, tendo em vista a democratização no acesso à cultura e o alargamento da oferta cultural”, e conta com uma dotação de 125.000 euros, pode variar entre 5.000 e 20.000 euros por projeto por ano.

A autarquia explica que, neste eixo, “são contempladas ações culturais que se desenvolvam, pontual ou regularmente, em determinado espaço da programação no território viseense”.

São exemplo dessas ações festivais, ciclos e/ou concursos que tenham como foco as artes performativas, festivais, ciclos ou mostras de cinema e multimédia, exposições e itinerâncias de artes visuais, residências artísticas, workshops e masterclasses.

Este eixo apoia também “projetos que promovam o desenvolvimento e valorização da cultura tradicional”, nomeadamente “património, etnografia, música, literatura popular, artesanato e produtos locais”, acrescenta.

Já o eixo 4 pretende “apoiar artistas e projetos emergentes e tem como objetivo dar visibilidade e fomentar o aparecimento de novos talentos”, refere a autarquia, acrescentando que tem uma dotação de 50.000 euros e que o apoio varia entre 2.500 e 10.000 euros por projeto por ano.

Os projetos podem ser das artes performativas, do circo contemporâneo, das artes visuais, das artes de rua, da literatura, do cruzamento disciplinar, nos domínios da criação/produção, programação/difusão e edição.