Problemas de crescimento nas crianças são motivo para muitas consultas de pediatria nos hospitais

A medida do crescimento das crianças é um indicador muito importante para a sua saúde. E, apesar de não existirem dados concretos relativamente ao número de crianças portuguesas com problemas de crescimento, Teresa Borges, presidente da Sociedade Portuguesa de Endocrinologia e Diabetologia Pediátrica, confirma que “os problemas de crescimento e, em particular, a baixa estatura são sem dúvida motivos frequentes de referenciação às consultas de Pediatria a nível hospitalar”. É para estes que se alerta no Dia Internacional da Sensibilização para o Crescimento das Crianças, assinalado a 20 de setembro, reforçando-se a importância do controlo do crescimento anual dos mais pequenos.

Uma sensibilização que, segundo Teresa Borges, vai existindo cada vez mais. Ou seja, são muitos os que hoje já sabem que o crescimento é “um parâmetro imprescindível de vigilância do bem-estar e de saúde de qualquer criança. Temos também assistido a um maior conhecimento geral relativo ao potencial genético de cada criança. Relativamente aos Cuidados de Saúde Primárias, muito em parte devido às formações levadas a cabo pela Pediatria e pela Endocrinologia Pediátrica, temos vindo a assistir a uma maior consciencialização e valorização da temática do crescimento”.

O impacto dos problemas a esta associados pode ser, de resto, muito relevante, como explica a médica. “A maior parte das situações de baixa estatura, a partir do 2º ano de vida, são a baixa estatura familiar e o Atraso Constitucional do Crescimento e Maturação, que são variantes não patológicas de crescimento. No entanto, as alterações de crescimento podem resultar de doenças sistémicas crónicas como a insuficiência renal crónica, a doença celíaca, assim como as patologias endócrinas como hipotiroidismo e insuficiência da hormona de crescimento. Sem dúvida que o impacto final está relacionadoc com a estatura final na idade adulta.”

O tratamento desta última, a insuficiência da hormona de crescimento, “quando se comprova como eficaz, é mantido até a finalização do crescimento”. E, nestes casos, revela a especialista, “tem sem dúvida um efeito importante na autoestima destes doentes”. De resto, se não for feito o tratamento para colmatar a insuficiência da hormona de crescimento, “a baixa estatura na idade adulta constitui um resultado inequívoco, mas inevitável”.

É importante, por isso, não esquecer que o “normal” para as crianças é um crescimento de pelo menos 5 centímetros por ano após os 2,5 anos de idade e antes da puberdade. E que, caso isto não se verifique, é importante avaliar a situação, através de uma consulta a um profissional de saúde.

Partilhar
Autor
Notícias de Viseu
Notícias de Viseu
Notícias de Viseu é um órgão de informação regionalista, independente, livre de influências políticas, económicas, religiosas ou quaisquer outras, votado à prática de uma informação cuidada, verdadeira e objetiva.

Novidades

1
pexels-pixabay-47730
Quase 100 pessoas impedidas de entrar em recintos desportivos em 2024 – APCVD
2
Acidente carro
Colisão entre motociclo e veículo ligeiro em Viseu provoca uma vítima mortal
3
CINFAES
Câmara de Cinfães atribui mais de 100 mil euros em 216 bolsas de estudo
4
santa comba dão
Autarca de Santa Comba Dão considera que “há outras maneiras” de celebrar democracia

Artigos relacionados

urgências médico hospital
vespa
hospital enfermeiros
pexels-pixabay-248395
Entre em contacto

+351 232 087 050
*Chamada para rede fixa nacional

geral@noticiasdeviseu.com
publicidade@noticiasdeviseu.com

Avenida do Convento nº 1, Complexo Conventurispress, Orgens 3510-674 Viseu

Subscrever Newsletter
Fique por dentro das últimas novidades e conteúdo exclusivo.
Procurar
Últimas notícias
pexels-pixabay-47730
Quase 100 pessoas impedidas de entrar em recintos desportivos em 2024 – APCVD
Acidente carro
Colisão entre motociclo e veículo ligeiro em Viseu provoca uma vítima mortal
CINFAES
Câmara de Cinfães atribui mais de 100 mil euros em 216 bolsas de estudo
santa comba dão
Autarca de Santa Comba Dão considera que “há outras maneiras” de celebrar democracia