Óbito/ Jorge Coelho: Presidentes de Câmara destacam “marca indelével” na região

149

Jorge Coelho foi um cidadão que “deixa uma marca indelével” na região e no país, escreveram hoje presidentes de Câmara do distrito de Viseu, ao qual pertence Mangualde, origem do antigo governante, que morreu na quarta-feira.

“Um grande admirador e divulgador da vida e obra do nosso conterrâneo mestre Aquilino Ribeiro. Sernancelhe presta a sua homenagem ao governante, ao empresário e ao cidadão que deixa uma marca indelével no país e na região”, escreve o presidente da Câmara de Sernancelhe, numa nota divulgada no “site” da autarquia.

Carlos Silva Santiago acrescenta que “não será esquecido o momento e a honra” que concedeu a Sernancelhe quando aceitou “assinar a nota de introdução da última reedição de “Cinco Réis de Gente”, bem como a sua presença na apresentação pública da obra, na tarde de 17 de setembro de 2016, no Pátio Aquilino Ribeiro, no Carregal, a terra natal de Aquilino Ribeiro”.

“Ficámos então a conhecer um admirador de Mestre Aquilino, um devoto da sua obra, um divulgador das terras e das gentes beirãs, e um homem de causas, de convicções e de liberdade”, destaca o autarca que apresenta “o mais sentido pesar a toda a família e amigos”.

Sentimentos partilhados por o presidente de Carregal do Sal que destaca a “ilustre personalidade do panorama político regional e nacional” de Jorge Coelho que “dedicou grande parte da sua vida à política, onde começou em 1969 e a que se entregou até 2008”.

“Defendeu afincadamente a coesão territorial do país com uma perspicácia e entusiasmo peculiares que lhe valeram a conquista de inúmeras amizades”, escreve Rogério Mota Abrantes.

O presidente de Nelas, concelho vizinho de Mangualde, refere a “ilustre personalidade” do empresário, “um exemplo da participação cívica e política em Portugal e referência na defesa da coesão territorial”.

“Um político de valores e de causas, um acérrimo defensor do seu país, sempre com o seu concelho de Mangualde e esta região no coração. É, assim, mais uma perda irreparável para a nossa região e o país”, escreve José Borges da Silva, numa nota publicada na página da autarquia na Internet.

A Câmara de Mangualde decretou três dias de luto municipal, a partir de hoje e até sábado, dia da cerimónia fúnebre que acontece no concelho, na freguesia de Santiago de Cassurrães, onde ficará depositado em jazigo familiar.

“Um mangualdense ilustre, (…) político, gestor e empresário, defensor e embaixador do concelho de Mangualde e da região interior, onde fundou a Queijaria Vale da Estrela, demonstrando o carinho e apreço pela sua cidade e pelos seus conterrâneos”, refere a nota de imprensa.

Jorge Paulo Sacadura Almeida Coelho, ministro nos dois governos liderados por António Guterres (1995/2002), faleceu aos 66 anos, na Figueira da Foz, vítima de ataque cardíaco fulminante.