Nuno Teixeira: Velório do realizador na sexta-feira e funeral no sábado, em Lisboa

300

O velório do realizador Nuno Teixeira, que morreu ontem, vai decorrer na Basílica da Estrela, em Lisboa, na sexta-feira, e o funeral realizar-se-á no sábado, no cemitério do Alto S. João, anunciou a agência funerária.

O corpo do realizador Nuno Teixeira “estará em câmara ardente, na sexta-feira, dia 31 de julho, a partir das 18:00 nas Capelas Exequiais da Basílica da Estrela, em Lisboa. No sábado, 01 de agosto, após as exéquias fúnebres, seguirá às 11:00 para o crematório do cemitério do Alto S. João, em Lisboa”, lê-se no comunicado divulgado hoje à noite.

O realizador de televisão Nuno Teixeira morreu hoje, informou a RTP, a cujos quadros pertenceu durante mais de três décadas e para a qual dirigiu a primeira telenovela portuguesa, “Vila Faia”.

Nascido em Silgueiros, no distrito de Viseu, Nuno Teixeira (1943-2020) teve uma longa carreira na RTP, iniciada nos estúdios do Porto e, depois, firmada em Lisboa, através de dezenas de programas, como “Sabadabadu”, com Camilo de Oliveira e Ivone Silva, distinguido no Festival Rose d’Or, de Montreux, na Suíça, em 1981.

Com um percurso de décadas que atinge o auge nos anos de 1980 e 1990, Nuno Teixeira está sobretudo associado a programas como “O Tal Canal” (1983), “Humor de Perdição” (1987-1988) e “Casino Royal” (1990), sem esquecer as primeiras telenovelas portuguesas.

Além de “Vila Faia”, Nuno Teixeira dirigiu “Origens” (1983), “Passerelle” (1988) e “Chuva na Areia” (1985), baseada no romance de Luís de Sttau Monteiro “Agarra o Verão, Guida, Agarra o Verão”.

O realizador foi ainda responsável pela direção regular de séries televisivas como “Eu Show Nico” (1988), com Nicolau Breyner, e “Lá em Casa Tudo Bem” (1987-1988), a primeira comédia portuguesa gravada com público “ao vivo”, protagonizada por Raul Solnado e Armando Cortez, que teve em Mário Zambujal um dos seus autores.

Nuno Teixeira dirigiu igualmente produções dramáticas, como a versão televisiva de “Mãe Coragem e Os Seus Filhos” (1987), de Bertolt Brecht, encenada por João Lourenço, que lhe valeu o prémio de melhor adaptação teatral para televisão.

Para a dimensão do pequeno ecrã, também transpôs várias produções de ópera das temporadas do Teatro Nacional de São Carlos.

Trabalhou ainda com Mário Viegas nos programas “Palavras Ditas” (1984-1985) e “Palavras Vivas” (1990-1991).

Foi responsável pela Direção de Produção da RTP.

Nuno Teixeira também dirigiu os tempos de antena da primeira campanha presidencial de Mário Soares, em 1985, e esteve associado à campanha do Partido Socialista para as legislativas de 1995.

Em 1995, recebeu as insígnias de Grande-Oficial da Ordem do Mérito.

 

Foto : Radio Comercial