Mulher & Desporto

1847

Há anos que questiono porque não há mais mulheres espetadoras no desporto?! – mães e esposas não contam, pois acompanham os familiares. O desporto, assim como a vida, não é só de uma cor. É muito mais do que isso. A sua policromia consiste na alegria, na festa, na diversão, no convívio, no fazer dos jogos um tempo e um lugar de encontro. E as mulheres gostam disso. Sabem fazer isso. Infelizmente a participação da mulher no desporto é, ainda, desvalorizada, muito porque o modelo de organização desportiva, nos seus primórdios, foi idealizado por e para os homens, e as mulheres não contavam.

No alto rendimento, a taxa de feminização é cerca de 30 por cento, que equivale a cerca de duas vezes menos que a dos homens. Não chegam medidas simbólicas, por muita importância que tenham. Temos de eliminar o preconceito e a desigualdade de oportunidades entre mulheres e homens. O desporto pode, e deve ser um exemplo de integração e de afirmação da mulher na sociedade.

Apenas um em cada 10 treinadores e um em cada 10 árbitros são mulheres. A quantidade e qualidade estão em crescimento e devemos, com os valores intrínsecos ao desporto, fazer a diferença pela positiva, promovendo a valorização da mulher na sociedade.

Enquanto atleta, é nos desportos individuais que a mulher tem um maior reconhecimento pelas suas performances, mas há muito que nas modalidades coletivas existe qualidade e que a competição substituiu o lazer. Não se pode ignorar o trabalho de tantas jovens e mulheres, nem o sacrifício com que o fazem.

Telma Monteiro, Patrícia Mamona, Jéssica Augusto, Auriol Dongmo: estes são os nomes de algumas atletas nacionais que ganharam destaque na sua modalidade desportiva. Exemplos de superação, trabalho e talento. Referências incontornáveis do desporto português.

No futebol feminino temos assistido a uma evolução fantástica. Hoje já competem com qualquer outra seleção do mundo. A comunicação social não trata, ainda, com igualdade as performances do desporto feminino e masculino.

No dirigismo, os casos de mulheres com funções dirigentes nas organizações desportivas são raros. A erradicação dos estereótipos de género desempenha um papel fundamental na eliminação das barreiras que limitam o acesso das mulheres a posições de liderança no desporto.

Os cargos devem ser ocupados pelo mérito. E existem muitas mulheres que o têm. Apesar do aumento gradual da sua participação no desporto, as mulheres continuam sub-representadas nos órgãos de decisão das instituições desportivas a nível local, nacional, europeu e mundial.

O desporto é muito mais bonito e melhor com ELAS. A nível regional a participação da mulher é já bastante numerosa e com resultados que nos orgulham.

A todas vós, os meus mais sinceros parabéns!

Gosto, mesmo, de vos ver por cá!

 

Vítor Santos

(Embaixador do Plano Nacional de Ética no Desporto)