Manifesto da candidatura à Assembleia Municipal de Mangualde

363

O embrião do Mangual em Movimento começa na necessidade de uma resposta
cidadã a problemas como a habitação e a saúde. Os problemas a que cabia dar
resposta eram muito concretos: o encerramento dos serviços de urgência no centro de
saúde de Cubos e uma mal conseguida implantação do programa de arrendamento
acessível na Quinta da Igreja.
A saúde e a habitação são duas áreas vitais a concelhos como Mangualde. Concelho
com uma população envelhecida e em decréscimo, com baixos rendimentos per capita
e pouca oferta privada ao nível de arrendamento. As intervenções cívicas nestas áreas
contaram com a presença de deputadas do Bloco de Esquerda como a Maria Manuel
Rola (no que respeita ao IHRU) e a eurodeputada Marisa Matias (no caso da ação
cívica pela reabertura do SAP Mangualde). Com o apoio institucional do Bloco de
Esquerda, que levou estes temas à Assembleia da República, o Mangual em
Movimento viu o Centro de Saúde de Cubos estender o seu horário de atendimento
(ainda que tal prolongamento de horário fique aquém dos objetivos do Mangual e das
necessidades da população) e algumas melhorias (ainda que francamente tímidas)
nos apartamentos dos prédios do IHRU.
Com os pés bem assentes na terra quanto ao seu propósito e a confiança na sua força
e vitalidade, o Mangual em Movimento foi construindo um histórico de envolvimento
cívico em torno dos assuntos do concelho. De tal forma que algumas das suas
denúncias públicas acabaram por surtir efeitos concretos como no caso da
reconstrução do muro caído na Quinta dos Condes de Anadia – situação que durava
há meses –, nas intervenções em torno das ruas na Quinta da Igreja, ou, inclusive, na
formalização de um projeto de remodelação da ETAR de Cubos.
A dinâmica positiva entre iniciativa, intervenção cívica e resultados concretos apenas
fez salientar a necessidade de uma oposição coerente e vigilante em relação ao poder
político local. A candidatura a um órgão autárquico como a Assembleia Municipal é tão
só a expressão institucional de uma luta que cala fundo nos anseios populares.
O Mangual em Movimento não representa apenas um conjunto de causas
progressistas ao nível da habitação, da saúde, do trabalho, dos animais ou do
ambiente, como apresenta toda uma forma e uma dinâmica de intervenção,
envolvimento e decisão coletiva marcada pela inclusão permanente e pela
democraticidade interna. O Mangual em Movimento não apenas traz um conjunto de
bandeiras sociais como lhes dá corpo a partir da sua própria evolução e da sua forma
de fazer cidade e comunidade(s).
É com este conteúdo e com esta forma, com estas bandeiras e com este coletivo em
construção permanente, que o Mangual em Movimento assume a candidatura à
Assembleia Municipal. Prolongando assim a sua intervenção cívica para o nível
institucional do poder local de forma a dar substância e materialidade à vontade que
esteve na sua origem e que está no seu nervo. A eleição de deputados e deputadas
municipais não é o fim, mas o meio e o princípio para todas as lutas que o Mangual
em Movimento quer fazer junto dos seus concidadãos e em seu nome, em nome da
democracia local. Com o Mangual em Movimento e o Bloco de Esquerda a oposição
ao executivo será forte, frontal e sem medos, ainda que sempre construtiva,
integradora e mobilizada para e pelas causas.

O apoio do Bloco de Esquerda a esta candidatura é inteiramente consequente tendo
em vista os princípios políticos deste partido e a forma como este se organiza na e em
sociedade.
Com o Mangual em Movimento representado na Assembleia Municipal de Mangualde
faremos a luta toda!