HISTÓRIAS DE BURROS Por Celso Neto

189

Contava a minha avó

E não foi uma vez só

Que no interior profundo do País

Havia um burro que dava um bom Juiz…

Um dia, ao cair da tarde

Aconteceu algo que criou um grande alarde

Corria aos gritos, a Micas, toda ensanguentada

E atrás dela, o João, aos pontapés e à lambada…

A pobre Micas caiu

Ficou prostrada no chão

E quando o burro a viu

Investiu contra o João…

Derrubou-o e de imediato

Deu-lhe coices a valer

E com a agilidade de um gato

Pisou o João “sem querer”!

Depois “sorriu” para a Micas que sangrava

E que o mimou com festinhas no focinho

Recebeu palmas do povo que se juntava

Com o João cabisbaixo e sozinho!

Foi então que alguém gritou, muito feliz:

– Este burro dava um bom Juiz!

Post scriptum

Não consta na imprensa escrita e falada

Que em troca, o burro tenha recebido nada

Nem benesses nem “borlas” de qualquer clube

Também não consta que tenha livrado do “aljube”

Com base no Novo testamento

Alguém que prá mulher foi violento!