ESCAVAÇÕES ARQUEOLÓGICAS NA MAMOA DA CUMEEIRA

488

No passado mês de setembro teve lugar a primeira campanha de escavações arqueológicas
na Mamoa da Cumeeira, situada junto à Zona Industrial de Oliveira de Frades. Estes
trabalhos, codirigidos por Fabián Cuesta-Gómez e António Faustino Carvalho, foram
enquadrados por um projeto conjunto do Município e da Universidade do Algarve,
aprovado pelo Ministério da Cultura para o quadriénio de 2020-2024, que visa o
conhecimento dos monumentos e das práticas funerárias da Pré-História regional.
Este sítio arqueológico era já conhecido e, em parte, o interesse científico no seu estudo
resultava do facto de ser estruturalmente distinto do conhecido Dólmen de Antelas,
localizado nas proximidades. Com efeito, este último é um grande monumento neolítico
(com 6 mil anos) enquanto a Cumeeira é uma pequena mamoa (uma colina artificial) que
encerra um sepulcro que urgia conhecer melhor.
As escavações, que irão ser concluídas no Verão de 2021, revelaram que na Cumeeira
temos um sepulcro do final da Idade do Bronze (de há 3 mil anos), de pequenas dimensões,
mas ainda assim com uma arquitetura mais complexa do que aparentava. Os seus
construtores começaram por regularizar a superfície do local com uma densa camada de
pedras, sobre a qual construíram uma cista (uma “caixa” em pedra) com lajes de granito
onde se praticou o ritual funerário. A delimitar este espaço foi ainda construído um muro
circular, no interior do qual se descobriram pequenos fragmentos de potes de barro
utilizados nas cerimónias fúnebres. Sobre estas estruturas foi então criada a colina artificial,
com pedras e terra, para encerrar e proteger para a posteridade os restos do defunto. Uma
das questões que se mantém em aberto é determinar que tipo de ritual funerário terá sido
empregue, se a inumação, se a cremação. Este último é, aliás, o mais frequente nesta época,
o que representa uma profunda mudança cultural e ideológica face aos rituais funerários
anteriores.
Estes trabalhos permitiram ainda verificar que, imediatamente a nordeste da mamoa, se
encontra uma outra, ainda mais pequena, e que será também escavada em 2021; cerca de 50
m a noroeste, por seu lado, foi identificado um afloramento rochoso com “covinhas” que
poderão estar relacionadas com os cultos praticados na Cumeeira nesta época recuada.
Os objetos e os dados científicos recuperados nestes trabalhos, e noutros que o projeto tem
previstos para o município, irão incorporar a Sala de Arqueologia do Museu Municipal,
enriquecendo-a com estes conhecimentos acerca do mais remoto passado de Oliveira de
Frades.

Foto : Vista aérea de conjunto da escavação.

Foto Destaque: Aspeto da escavação, com o muro delimitador do espaço funerário em primeiro
plano e as lajes da cista ao centro da imagem.