CENTRO APOIO ALZHEIMER VISEU: 7 ANOS POR UMA COMUNIDADE AMIGA DAS PESSOAS COM DEMÊNCIA

180

Centro de apoio Alsheimer Viseu Assinalou, no dia 08 de junho, sete anos de atividades do Centro Apoio Alzheimer de Viseu. Tendo trilhado um percurso alinhado com a Visão das Obras Sociais de Viseu: Ser um parceiro de referência na intervenção social e comunitária. “Trabalhamos em articulação com diversas entidades, mas não posso deixar de salientar o apoio fundamental do Município de Viseu, bem como das parcerias estratégicas com a Alzheimer Portugal, Escola Superior de Educação de Viseu e Centro de Referência Estatal de Alzheimer e outras Demências de Salamanca. Estamos, neste momento, a trabalhar em novos projetos internacionais com a ASSIPA: Atención a Personas e a Alzheimer’s Disease International. Queremos, com estas alianças, melhorar a nossa intervenção, baseando-a nas melhores práticas internacionais e acompanhar os últimos desenvolvimentos da investigação. Temos boas notícias no campo da investigação. Ainda que devamos ser prudentes, não deixa de ser uma boa notícia sobre o medicamento para retardar a doença de Alzheimer, aprovado nos Estados Unidos pela FDA. Como refere o Dr. Celso Pontes, Coordenador da Comissão Científica da Alzheimer Portugal, As autoridades do medicamento europeias irão certamente analisar estes resultados. Creio que ainda não poderemos anunciar para já a sua comercialização, nem afirmar que, finalmente, temos o medicamento “definitivo” para o tratamento da DA. Porém, os resultados positivos são uma boa notícia. Continuaremos a acompanhar este assunto com o interesse de que se reveste para todos nós”.

“Não sendo possível curar, é possível cuidar. Para contribuirmos mais para a melhoria da qualidade de vida das pessoas com demência estamos a trabalhar com o objetivo de, até ao final da primeira quinzena de julho, termos a funcionar uma sala de Snoezelen. Um sonho antigo que está prestes a tornar-se uma realidade.  “

A pandemia global tem afetado ainda mais a nossa comunidade:

  • Mais de 25% das pessoas que morreram de COVID-19 eram pessoas com demência.
  • Muitas pessoas com demência sofreram uma deterioração cognitiva devido à falta de envolvimento social  e de proteção como resultado do isolamento social, distanciamento e falta de serviços sociais.
  • Muitos cuidadores e pessoas com demência viveram o início da depressão e ansiedade devido ao distanciamento social e à falta de descanso e cuidados.
  • Mais recentemente, começou a ser estudado o impacto da COVID – 19 no cérebro e estamos muito preocupados que a pandemia possa causar mais casos de demência.

 

Agora, mais do que nunca, precisamos que todos se aproximem e garantam que o mundo não esquece as pessoas com demência, os seus cuidadores e famílias.

O mundo deve CONHECER melhor a doença de Alzheimer e a demência.”