Câmara de Viseu distribui 500 ‘tablets’ para ensino à distância

270

A Câmara de Viseu vai disponibilizar 500 ‘tablets’ a alunos do 1º, 2º e 3º ciclos, para os ajudar nas aulas à distância, que terão início na segunda-feira.

Segundo a autarquia, os 500 ‘tablets’, que foram adquiridos em 2020, “vão permitir suprir todas as necessidades do 1.º ciclo e colmatar algumas falhas no 2.º e 3.º ciclo”.

“Em boa hora o município adquiriu um conjunto de equipamentos em número suficiente e atempadamente para aquilo que é da nossa responsabilidade. Desta forma, 325 ‘tablets’ serão emprestados a alunos do 1º ciclo, assegurando assim resposta às necessidades até agora identificadas neste nível”, explica o presidente da Câmara de Viseu, Almeida Henriques.

No entanto, o autarca refere que, “apesar de os restantes equipamentos da autarquia poderem colmatar algumas falhas já identificadas no 2.º e 3.º ciclo, a verdade é que não serão suficientes para todos os alunos que deles necessitam porque, claramente, o Governo falhou”.

O município incluirá nos ‘tablets’ cartões de dados móveis que permitirão o ensino ‘online’ e, para os alunos que vivem em zonas sem acesso a fibra ótica ou rede de dados, “serão acionadas medidas que permitirão mitigar as dificuldades”.

Neste âmbito, à semelhança do que aconteceu em março de 2020, as Juntas de Freguesia e os agrupamentos escolares vão assegurar a impressão e distribuição de fichas e trabalhos às crianças sem acesso à Internet e, paralelamente, poderão ser abertas salas de aula de escolas do município que tenham acesso à Internet.

No entender de Almeida Henriques, “mais uma vez, ficam claras as assimetrias do país, nomeadamente no que respeita ao acesso a recursos digitais”.

“Tenho dito muitas vezes que é fundamental um plano nacional para levar fibra ótica a todo o país. Hoje em dia, acessibilidade digital através de fibra ótica é tão importante como a eletrificação foi após o 25 de Abril de 1974”, sublinha.

O autarca considera que, “depois de quase 11 meses de pandemia, seria de esperar que algo tivesse sido feito, acautelado”.

“Em Viseu, estamos convictos da importância do acesso à Internet, pelo que temos já no terreno o programa Viseu 100% Digital, que visa a cobertura total do território no final de 2022”, acrescenta.

O município vai também assegurar o transporte dos alunos com necessidades especiais para as escolas, visto que estes terão aulas presenciais.

As refeições escolares vão continuar a ser asseguradas diariamente a todos os alunos do 1.º ciclo com escalão A ou B, como vem a acontecer há 15 dias, quando foi decretado o encerramento de todas as atividades letivas.

De acordo com a autarquia, “neste momento, são já 133 as refeições fornecidas por dia, seja nas escolas de origem, ou diretamente em casa de crianças cujas famílias estão em confinamento”.

“No que respeita aos restantes ciclos de ensino, o apoio está também assegurado, sendo que a gestão, organização e disponibilização das refeições passa por cada um dos agrupamentos escolares”, explica, acrescentando que “as refeições têm sido asseguradas através do ‘takeaway’ ou da distribuição, de 15 em 15 dias, de cabazes com produtos alimentares para preparação das refeições em casa”.

“As condições são adversas, o país não está preparado e todos sabemos que não há nada que substitua o ensino presencial. No entanto, face à situação que vivemos, o ensino à distância é essencial. Tudo faremos para garantir que as nossas crianças tenham uma refeição condigna e o acesso à educação”, garante Almeida Henriques.