A CARTILHA DE PADRE INÁCIO Por Humberto Pinho da Silva

304

Contava meu pai, que sua avó, que não cheguei a conhecer, dizia a cada passo: “ Isso estou farta de saber! Já vem na Cartilha do Padre Inácio! …”

A “Cartilha “ era basilar na educação primária, já que além da Doutrina Cristã e orações, era livro de leitura. Ensinava as primeiras letras, a tabuada, as vogais, etc.…etc.

Em 1813, ainda se usava ou pelo menos, imprimia-se, em Lisboa, a célebre “ Cartilha”

Todavia, a famosa “ Cartilha” ou “ Doutrina Cristã”, não foi escrita pelo Padre Inácio – como muitos supõem, – mas sim, pelo jesuíta, Marcos Jorge, Doutor em Teologia.

Mestre Inácio Martins, apenas actualizou, a “ Cartilha” ou “Catecismo”.

O aditamento, e o prestígio do Padre Inácio Martins, foram tão importantes, que o nome do verdadeiro autor foi praticamente eclipsado.

Em meados do século. XX, ainda se podia ouvir, referências à célebre “Cartilha”. Amiudadamente era citada em conversas ligeiras: “ Isso é mais velho que a “Cartilha” de Padre Inácio! …“ Querendo dizer: é velho e revelho.

Na notável “ Prática, Em Dia de Arcanjo S. Miguel”, Padre Manuel Bernardes, refere-se à “ Cartilha”, lamentando a degradação dos costumes, e censurando: No “ tempo do Padre Mestre Inácio Martins, não se ouviam palavras torpes e licenciosas”, como se escutavam, na rua, na época em que o Padre Manuel Bernardes, pregava (*)

Desconheço a data exacta da primeira edição da “ Cartilha”. Contudo posso adiantar, que remonta ao século XVI

 

 

*) Manuel Bernardes, nasceu, em Lisboa, no ano de 1644; e faleceu em 1710. A primeira edição, dos sermões, saiu em 1710.