A 1ª Cúpula Ibero-americana de Políticas Públicas da Termatalia termina com o anúncio da criação do Observatório Mundial do Termalismo

425

Organizado pela Termatalia, reuniu mais de 150 executivos de entidades públicas de 17 países A iniciativa de apresentar no Senado da Espanha uma proposta para que os pacientes que superaram COVID-19 possam ser tratados em spas foi outra das conclusões importantes deste encontro

A Termatalia realizou dia 28, a 1ª Cúpula Ibero-americana de Políticas Públicas para o Desenvolvimento do Termalismo, que reuniu mais de 150 dirigentes de entidades públicas que administram a hidroterapia em 17 países da Europa e América (Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica). , Equador, El Salvador, Espanha, Guatemala, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Peru, Portugal, Uruguai e Venezuela). Entre as conclusões deste encontro, em que participaram directamente 23 especialistas de 12 países, destaca-se o anúncio da criação de um Observatório Mundial do Termalismo que teria a sua sede em Ourense, também sede da Termatalia quando se realizar na Europa.

Os participantes desta cúpula coincidiram em destacar a necessidade de estruturação internacional permanente de destinos termais. O anúncio da criação do 
Observatório foi feito pelo presidente do conselho consultivo de Termatalia, do Conselho Provincial de Ourense e da Associação Europeia de Cidades Históricas
 com Património Termal (EHTTA), Manuel Baltar, que aceitou o desafio proposto pelo secretário executivo do Instituto Nacional de Turismo da República Argentina
 (INPROTUR), Ricardo Sosa. Durante seu discurso, Sosa mostrou o interesse do governo argentino para que a Termatalia aproveite sua rede internacional de 
contatos no setor para contribuir com o desenvolvimento da hidroterapia global ao longo do ano, reunindo as diferentes entidades que administram a 
hidroterapia internacional para que possam compartilhar experiências , transferir conhecimento e boas práticas. O Presidente Baltar pegou então nesta “luva” 
anunciando a criação deste Observatório Mundial do Termalismo que combinará a proeminência da Termatalia como ponte termal na Europa e América Latina 
com a liderança dos spas termais a nível europeu que atualmente é exercida pelo Conselho Provincial de Ourense a por meio da presidência da EHTTA Este 
organismo serviria também para propor medidas para a recuperação de um segmento turístico que contará con grandes oportunidades una vez finalizada la pandemia.


Outra das conclusões importantes a que se chegou nesta cúpula foi começar a trabalhar em uma iniciativa para elevar o Senado da Espanha e que solicitará aos pacientes que passaram o COVID-19. A proposta partiu de dois senadores provinciais de Ourense que participaram na cimeira como ouvintes (Francisco José Fernández e Miguel Ángel Viso) depois de ouvir as intervenções de diferentes especialistas em hidrologia médica e de diferentes lideranças públicas de destinos termais internacionais. Após o cancelamento dos programas de termalismo social da IMSERSO, esta iniciativa representaria uma nova oportunidade para os spas espanhóis que oferecem mais de 25.000 vagas e que envolvem mais de 5.500 empregos diretos, número que pode dobrar se forem adicionados os indiretos. Além disso, esta proposta valorizaria os recursos naturais e contribuiria para o desenvolvimento socioeconômico, ajustando sazonalmente a oferta turística e superando o desafio demográfico do despovoamento nas áreas rurais onde estão localizadas as centrais termais (a grande maioria com menos de 5.000 habitantes na Espanha ) Coordenado pela diretora da Termatalia, Emma González, esta cimeira começou com uma intervenção institucional dos patrocinadores, entre os quais se destacou Manuel Baltar na sua função de presidente do conselho consultivo da Termatalia, do Conselho Provincial de Ourense e da Associação Europeia de Cidades Histórico com Patrimônio Térmico (EHTTA); Nava Castro, diretor da Agência Galega de Turismo; e Ricardo Sosa, secretário executivo do Instituto Nacional de Turismo da República Argentina (INPROTUR). Como convidado de cortesia deste primeiro painel, também participou o Vice-Ministro de Turismo do Uruguai, Remo Monzeglio. O eixo central deste encontro foi conhecer os diferentes planos de reativação e protocolos de prevenção no setor do turismo termal. Neste sentido, o Diretor de Turismo da Galiza, Nava Castro, destacou o apoio que o Turismo tem prestado durante anos à Cátedra de Hidrologia Médica da Universidade de Santiago de Compostela, desde a investigação, inovação e especialização em. A balneoterapia será peça chave no futuro do setor termal para o qual novas oportunidades se apresentam num momento em que o consumidor / turista está mais preocupado com a prevenção e fortalecimento do seu sistema imunológico. Ele também insistiu na necessidade de demonstrar evidências científicas dos benefícios da balneoterapia em pacientes que sofreram COVID-19.

A cúpula contou com um segundo bloco em que participaram especialistas em políticas térmicas de 11 países e no qual o Dr. Francisco Maraver, presidente da Sociedade Espanhola de Hidrologia Médica, apresentou as evidências científicas dos benefícios de ser tratado em um centro. térmica para o sobrevivente COVID-19. Ele também argumentou que o sistema de saúde espanhol está atualmente focado no fortalecimento de UTIs para pacientes e que podem ser os spas que oferecem reabilitação a esses pacientes que superaram o vírus que podem deixar sequelas como dificuldades respiratórias, distúrbios cognitivos, perda de problemas de mobilidade ou ansiedade, entre outros. Durante as intervenções, o papel da hidroterapia na reativação económica dos destinos turísticos ficou evidente com exemplos como o da Região de Múrcia que incluiu pela primeira vez este verão o produto turismo de saúde e bem-estar na sua campanha promocional com resultados muito positivos. Por sua vez, o Instituto de Qualidade Turística Espanhola destacou a necessidade de certificações padronizadas em todo o mundo (através das normas ISO) dos protocolos e diretrizes que os estabelecimentos turísticos devem seguir na era pós-cobiça. Esta rodada de intervenções terminou com o pedido de inclusão no calendário da UNESCO de um Dia Mundial dedicado às águas mineral-medicinais (previsto para 23 de abril) e que foi defendido pela bióloga mexicana Marianela Peña.

Palestrantes da 1ª Cúpula Ibero-americana de Políticas Públicas para o Desenvolvimento do Termalismo – Emma González, diretora da Termatalia (Espanha). – Manuel Baltar, Presidente do Conselho Consultivo de Termatalia e do Conselho Provincial de Ourense, bem como da Associação Europeia de Cidades Históricas com Património Termal (E.H.T.T.A.) (Espanha). – Nava Castro, Diretor de Turismo da Galiza (Espanha). – Ricardo Sosa, Secretário Executivo do Instituto Nacional de Turismo da República Argentina, INPROTUR (Argentina). – Remo Monzeglio, Vice-Ministro de Turismo do Uruguai. – José Carlos de Santiago, Presidente do Grupo Excelencias (Espanha). – Félix Álvarez, Departamento de Turismo e Termalismo de Ourense (Espanha).

– Dr. Francisco Maraver, Presidente da Sociedade Espanhola de Hidrologia Médica e diretor da Escola Profissional de Hidrologia Médica da Universidade Complutense (Espanha). – Miguel Mirones, Presidente do Instituto de Qualidade Turística Espanhola e Presidente de Spas da Espanha. – Juan Francisco Martínez, Diretor Geral do Instituto de Turismo da Região de Murcia (Espanha). – Zoila Cavero, Diretora de Produtos e Destinos Turísticos do Ministério de Comércio Exterior e Turismo do Peru. – Victor J. Leal, presidente da Associação das Termas de Portugal e presidente do Conselho de Administração das Termas de São Pedro do Sul (Portugal). – Washington Sena. Secretaria de Turismo de Foz de Iguaçu (Brasil). – Doris Penoni, Diretora Geral de Produtos de Turismo, Ministério do Turismo do Paraguai. – Rosario Pereira. Chefe do Departamento de Turismo de Saúde da Secretaria Federal de Turismo do México. – Melissa Tencio, área de Marketing do Instituto Costarriquenho de Turismo (Costa Rica). – Beatriz Flamenco, Ceo da Universal Tours e especialista em turismo de bem-estar (El Salvador). – Guisela Ramírez, Unidade de Inovação, Instituto de Turismo da Guatemala-INGUAT (Guatemala). – Marco Sousa, diretor operacional da Entidade de Turismo do Porto e Norte (Portugal). – Gastón Irazusta. Secretário de Turismo da Província de Entre Ríos (Argentina). – Rodrigo Aparicio. Vice-presidente da Seção de Municípios de Águas Termais e Mineração medicinal da FEMP (Federação Espanhola de Municípios e Províncias) (Espanha). – Marianela Peña, Bióloga especialista em Talassoterapia (México). – Cristóbal Fortes, Chefe da Divisão de Desenvolvimento e Investimentos da Subsecretaria de Turismo do Chile.