Técnico do Braga divide favoritismo com Benfica na Supertaça de futebol feminino

9

O treinador do Sporting de Braga, Miguel Santos, dividiu hoje as hipóteses de conquista da Supertaça de futebol feminino com o Benfica, no sábado, em Tondela, mas frisou a vontade de voltar a conquistar o troféu.

As minhotas, atuais campeãs nacionais e que, esta época, já conseguiram o apuramento para os 16 avos de final da Liga dos Campeões, para medir forças com o Paris Saint-Germain, defendem o título conquistado na época passada, diante do Sporting, e o técnico perspetiva “um grande jogo entre duas grandes equipas”.

“Vai ser um jogo dividido, 50/50 para cada equipa. Vamos tentar ter a nossa identidade e levar o nosso plano de jogo e estratégia bem definidas, tentar criar as melhores oportunidades de golo e não deixar que o Benfica crie nenhuma e, obviamente, ganhar o jogo”, desejou o técnico, antes do treino matinal, na Cidade Desportiva do clube.

No último confronto entre as duas equipas, em abril deste ano, o Benfica, então na II divisão, foi a Braga vencer por 4-2 na segunda mão das meias-finais da Taça de Portugal, que viria a conquistar, depois das bracarenses terem ganho por 2-1 em Lisboa.

“Não fomos surpreendidos pelo Benfica nesse jogo, mas fizemos 10 minutos horríveis [o Benfica já ganhava por 3-0], mas isso acontece uma vez na vida, é passado. É uma época nova, começámos bem na Liga dos Campeões e queremos agora prolongar isso na Supertaça para dar uma alegria grande aos sócios e adeptos do Sporting de Braga”, afirmou.

O técnico das ‘arsenalistas’ considerou ainda que a mudança de treinador no Benfica não trouxe muitas alterações.

“O treinador [Andrade] já lá estava desde dezembro [2018], em funções diferentes [diretor], mas era um conhecedor claro da realidade do clube e das jogadoras. É um Benfica não muito diferente da época passada, mas com um plantel bem mais forte”, disse.

As habituais titulares Jana (defesa-central) e Daniuska (extremo) são baixas certas nas bracarenses devido a lesão, mas isso “não pesa na estratégia”, ainda que obrigue a “algumas alterações em virtude dessas ausências”.

“Não temos jogadoras de primeira e de segunda linha, tenho 25 jogadoras e todas me dão coisas diferentes. No Braga, não há titulares, nem suplentes”, frisou.

Para a guarda-redes Rute Costa, “as expectativas são sempre as mesmas, seja o Benfica ou qualquer outro adversário”, pois o Sporting de Braga entra “sempre para ganhar”.

A guarda-redes não quis atribuir favoritismo a nenhuma das equipas e deixou elogios à turma ‘encarnada’.

“Sabemos perfeitamente que o Benfica é uma grande equipa, tecnicista e rápida nas transições, com um ataque forte. Fez um excelente campeonato no ano passado, merecedor dos seus títulos [campeão da II divisão e vencedor da Taça de Portugal], mas nós vamos manter a nossa identidade e entraremos para ganhar como em qualquer jogo”, reforçou.

A jogadora não quis falar em “vingança” pela derrota na época passada.

“Esse jogo foi duro para nós, vínhamos de uma vitória lá e tínhamos teoricamente uma mão na final da Taça. Tivemos um jogo mau, acontece a qualquer equipa, mas não acredito que haja sentimento de vingança”, disse.

Seis jogadoras do Sporting de Braga só chegaram na quinta-feira após terem representado a seleção nacional na míni digressão aos Estado Unidos da América, mas Miguel Santos considera que isso não vai pesar na “balança”.

“As jogadoras chegaram todas bem, sem lesões. Se o futebol feminino quer andar para a frente, isto vai acontecer cada vez mais e elas e os clubes têm de se adaptar. O Benfica [duas jogadoras na seleção] teve um pouco mais de tranquilidade para trabalhar, mas toda a jogadora que vai à seleção vem motivadíssima quando chega ao clube”, frisou.

Apesar de ter sido campeão nacional e vencido a Supertaça, o Sporting de Braga não foi considerada a melhor equipa de futebol feminino da época passada, galardão conquistado pelo Benfica, nos prémios Quinas de Ouro 2019 atribuídos pela Federação Portuguesa de Futebol (FPF), que têm uma componente de votação dos adeptos.

“Não me sinto injustiçado, mas, sinceramente, achava que ia ser o Braga a equipa do ano e fazia sentido que fosse. Foi campeão e ganhou a Supertaça, dos três grandes troféus, ganhou dois, mas temos de respeitar a votação dos sócios e a dimensão do Benfica e nada apaga a campanha que fizemos na época passada”, afirmou Miguel Santos, que venceu o prémio de treinador do ano no futebol feminino.

Para Rute Costa, também “não há ressentimento”, pois “é preferível” ter os troféus que o Sporting de Braga conquistou “do que propriamente ser equipa do ano”.

Sporting de Braga e Benfica defrontam-se no domingo, a partir das 18:45, no Estádio João Cardoso, em Tondela.